JAL deve registrar perda líquida de até 270 bilhões de ienes até o fim do ano fiscal de 2020 devido à pandemia

A JAL acredita que levará “três ou quatro anos” para que o número de passageiros internacionais a negócios volte ao nível pré-pandêmico.

JAL deve registrar perda líquida de até 270 bilhões de ienes até o fim do ano fiscal de 2020 devido à pandemia

A Japan Airlines Co. (JAL) disse que espera registrar um prejuízo líquido de 240 bilhões de ienes (2,3 bilhões de dólares) a 270 bilhões de ienes no atual ano comercial até março, pela primeira vez desde seu relançamento em 2012, com a redução drástica da demanda por viagens aéreas devido à pandemia de coronavírus. A JAL disse que registrou um prejuízo líquido de 161,23 bilhões de ienes na primeira metade do ano fiscal de 2020. O lucro anterior aos juros e impostos teve uma perda de 223,97 bilhões de ienes sobre vendas de 194,79 bilhões de ienes, 74,0% abaixo do ano anterior.

“Vimos resultados muito graves após o impacto contínuo do vírus”, disse Hideki Kikuyama, diretor executivo sênior da JAL, em entrevista coletiva. A companhia aérea disse que o número de passageiros internacionais despencou 97,7% nos seis meses até setembro em relação ao ano anterior, visto que muitos países restringiram as entradas desde o surto do coronavírus. O número de passageiros domésticos também caiu 76,1% devido em parte ao ressurgimento de infecções por vírus no Japão durante a temporada de férias de verão, apesar do lançamento do governo de um programa de subsídio para viagens no Japão.

No entanto, Kikuyama disse que sua situação financeira tem “se recuperado continuamente” devido aos esforços de corte de custos, reduzindo custos com folha de pagamento e taxas de publicidade. Seu prejuízo líquido no período de julho a setembro ficou em 67,5 bilhões de ienes, uma melhora em relação ao prejuízo líquido de 93,7 bilhões de ienes no trimestre anterior. Ele disse que a JAL fortalecerá seus negócios de transportadoras de baixo custo com sua subsidiária, a companhia aérea Zipair Tokyo Inc., para compensar as perdas de receita.

A empresa espera que o número de passageiros internacionais retorne a um nível entre 25% e 45% em março em relação ao ano anterior, com o número de passageiros domésticos voltando para cerca de 80% em uma base anual. Além disso, os diretores da JAL enfrentarão um corte de 55% na remuneração no próximo ano comercial, começando em abril. Com relação à sua condição financeira, a empresa disse que tinha 346,6 bilhões de ienes em caixa no final de setembro e expandirá sua linha de compromisso não utilizada para 300 bilhões de ienes até novembro. “Mantivemos uma base financeira saudável”, apesar das dificuldades comerciais, disse Kikuyama.