Especialistas dizem que é improvável vacina contra o coronavírus surja antes dos Jogos Olímpicos de Tóquio

Especialistas dizem que é improvável vacina contra o coronavírus surja antes dos Jogos Olímpicos de Tóquio

Os cientistas devem garantir que a “cura” não cause mais danos. E eles estão lidando com um vírus que ainda contém muitos mistérios

As empresas farmacêuticas e os institutos de pesquisa de todo o mundo estão se esforçando para criar uma nova vacina contra o coronavírus. Os ensaios clínicos começaram e as manchetes dos jornais de vez em quando promovem desenvolvimentos promissores.

Apesar dos esforços e colaborações globais, os especialistas dizem que uma vacina provavelmente não estará disponível a tempo da realização das Olimpíadas de Tóquio, que estão agendadas para o próximo ano, como esperava o primeiro-ministro Shinzo Abe.

Abe expressou sua esperança de que uma vacina se torne realidade em mais ou menos um ano. “O Japão continuará sendo um participante fundamental no desenvolvimento da vacina, já que um medicamento para tratar e vacinar contra o coronavírus também será crucial em termos de tornar as Olimpíadas de Tóquio um sucesso”, disse ele em um programa on-line.

Shinya Yamanaka, um biólogo que trabalha com células-tronco, ganhador do Prêmio Nobel e diretor do Centro de Pesquisa e Aplicação de Células iPS da Universidade de Quioto, está cético.

“Será difícil preparar um suprimento da vacina contra o coronavírus em um amplo volume para que aconteça (as Olimpíadas de Tóquio), a menos que tenhamos uma série de desenvolvimentos extremamente felizes”, disse Yamanaka no mesmo programa.

O processo cautelo da criação de uma vacina

O desenvolvimento de uma vacina comum é um processo demorado, porque faz uso do vírus original. Antes que esses medicamentos possam ser testados em pessoas, os pesquisadores devem garantir a segurança do candidato a vacina, determinando se o vírus pode se multiplicar no corpo humano.

A15 - AT - 2020

Para a nova vacina contra o coronavírus, muitos pesquisadores estão adotando uma nova abordagem, contando com dados sobre o código genético do vírus e a tecnologia de engenharia genética.

Como esse método não envolve o uso do próprio coronavírus, os especialistas dizem que reduzirá significativamente o período de desenvolvimento.

O mundo corre contra o vírus

No dia 5 de maio, empresas de biotecnologia e instituições de pesquisa, muitas delas na China e nos Estados Unidos, estavam conduzindo ensaios clínicos com oito possíveis vacinas contra o coronavírus, segundo a Organização Mundial da Saúde. Além disso, sabe-se que existem cerca de 100 outras testes a vacina.

Nos Estados Unidos, uma empresa de biotecnologia começou a testar uma potencial vacina em humanos em parceria com os Institutos Nacionais de Saúde, usando material genético para instruir as células do corpo a produzir proteínas específicas para o coronavírus. Eles planejam disponibilizar esta vacina primeiro para os profissionais de saúde no outono.

A15 - AT - 2020
Tubos de ensaio de experiências com coronavírus do departamento do governo dos EUA
Foto: Public Health Image Library, Centros de Controle e Prevenção de Doenças

Uma equipe de pesquisa da Universidade de Oxford iniciou um teste clínico de um medicamento desenvolvido com base na tecnologia de engenharia genética.

O Japão irá criar sua própria vacina

Yasufumi Kaneda, pesquisador especializado em ciência da terapia genética na Universidade de Osaka, ressaltou a necessidade de o Japão apresentar seus próprios candidatos a vacinas, com um de ponto de segurança nacional.

A15 - AT - 2020
Yasufumi Kaneda
Foto: Universidade de Osaka

“Mesmo que uma vacina contra o coronavírus se torne disponível no exterior, eu estou preocupado que ela não seja fornecida ao Japão”, disse ele. “O Japão deve ter suas próprias vacinas.”

No Japão, a Universidade de Osaka e a AnGes Inc., uma startup biofarmacêutica afiliada à universidade, iniciaram um projeto para desenvolver uma vacina usando o código genético do coronavírus.

Pesquisadores do projeto disseram que precisarão de apenas meio ano para passar para um ensaio clínico sob esse método. Em comparação, levaria um ano ou dois se o vírus real fosse usado na droga.

A fabricante de medicamentos Shionogi & Co. e o Instituto Nacional de Doenças Infecciosas uniram forças em outro projeto de vacina. No entanto, nenhuma vacina foi posta em uso prático para um coronavírus que afligiu humanos.

O que aprendemos com as outras pandemias

Muitos países correram para desenvolver uma vacina contra a síndrome respiratória aguda grave (SARS), causada por um coronavírus, quando se espalhou pelo mundo entre 2002 e 2003. Mas antes que a vacina se tornasse disponível, os surtos de SARS foram controlados.

Tetsuo Nakayama, professor de controle de infecções virais da Universidade Kitasato, disse que desenvolver uma vacina eficaz contra o novo coronavírus será uma tarefa enorme, porque muitos fatores desconhecidos permanecem.

“Ainda não sabemos qual método será o melhor para fazer uma vacina eficaz contra o novo coronavírus”, disse ele. “É difícil dizer quando podemos encontrar um.”

A15 - AT - 2020

A confirmação da segurança e eficácia de uma vacina através de ensaios clínicos é imprescindível antes de estar pronta para uso entre o público em geral. A primeira fase do ensaio clínico foi projetada para examinar a segurança da vacina. Na segunda fase, os pesquisadores avaliam a eficácia. Na terceira fase, a segurança e a eficácia são avaliadas através de testes em mais indivíduos.

A disseminação do novo coronavírus foi designada como uma pandemia, o que significa que o processo de aprovação de uma vacina provavelmente será abreviado e será dada prioridade ao novo medicamento em detrimento de outros medicamentos. Mas os pesquisadores ainda devem proceder com cuidado, apesar da enorme necessidade da vacina.

Masayuki Miyasaka, professor convidado de imunologia no Centro de Pesquisa em Imunologia da Universidade de Osaka, alertou contra possíveis efeitos colaterais. “Uma vacina será usada em pessoas saudáveis”, disse ele. “As consequências serão graves se causar sérios efeitos colaterais”.

Miyasaka observou que um ensaio clínico geralmente envolve milhares de indivíduos. Ele disse que levará ” mais de dois anos ” até que uma vacina contra o novo coronavírus seja disponibilizada.