Grandes escritores japoneses – Yukio Mishima

A morte de Yukio Mishima é indiscutivelmente mais famosa do que sua vida – e lança uma longa sombra sobre sua produção. A sensação de um homem lutando para forjar uma definição de si mesmo é palpável. Ele é amplamente considerado um dos grandes escritores japoneses do século XX.

Grandes escritores japoneses – Yukio Mishima

A morte de Yukio Mishima é indiscutivelmente mais famosa do que sua vida – e lança uma longa sombra sobre sua produção. Como ele era um escritor tão confessional, tão pessoal que buscava inspiração em sua própria existência, isso talvez não seja surpreendente. Seja lendo obras antigas como Confissões de uma máscara ou sua tetralogia final, O mar da fertilidade, a sensação de um homem lutando para forjar uma definição de si mesmo é palpável. Ele é amplamente considerado um dos grandes escritores japoneses do século XX.

Uma decepção por não ir à guerra

A grande tragédia de Mishima foi a boa sorte. Nascido em 1925 como Kimitake Hiraoka, ele foi da geração que lutou na Segunda Guerra Mundial. Ele cresceu – e ele escreve sobre isso em Confissões de uma máscara – esperando morrer pelo imperador. Durante toda a escola, durante sua infância e adolescência, o Japão esteve envolvido em um conflito militar no continente. A guerra com a China já havia começado e os meninos nos anos acima dele estavam saindo para lutar, para assumir seus papéis e cumprir seu dever.

Ele parece ter levado isso em consideração (o quanto disso é automitologia não está claro, Mishima era nada se não um automitologizador) em uma idade precoce e aceitou seu futuro. Ele escreve sobre como isso o libertou das preocupações usuais da vida: por que se preocupar com qualificações, conseguir um emprego ou encontrar uma esposa se você está destinado a morrer jovem? Porque se importar? Mas problemas de saúde – tuberculose diagnosticada erroneamente por causa de um resfriado – o impediram de ingressar no exército. Ele nunca se recuperou da culpa por ter recebido uma isenção. Ele sobreviveu à guerra, mas a partir de então foi morbidamente atraído para as artes marciais, o espírito guerreiro e a morte.

A busca por um Nobel de literatura que nunca chegou

Seu primeiro romance, Ladrões, era sobre suicídio. Seu segundo, Confissões de uma máscara, foi uma semiautobiográfica velada sobre um jovem aceitando sua homossexualidade enquanto escapava do alistamento durante a guerra. Esses se tornaram os temas e a tensão que assombrou sua escrita nos 20 anos seguintes.

A publicação de Confissões de uma máscara foi um best-seller e o tornou famoso. Outros romances como Cores Proibidas (1951/1953), O som das ondas (1954), O templo do pavilhão dourado (1956) e Depois do banquete (1960) logo se seguiram, cimentando seu nome e levando-o à consideração do Nobel mais do que uma vez. No entanto, quando seu antigo mentor Yasunori Kawabata se tornou o laureado em 1968, Yukio Mishima sabia que nunca alcançaria essa honra. (Demorou até 1994 para outro escritor japonês, Kenzaburo Oe, ganhar).

Muitas vezes é difícil separar a vida de um artista de seu trabalho – e com Yukio Mishima é quase impossível!

Sua obra foi traduzida para o inglês e posteriormente outras línguas, inclusive o português, e se tornou uma espécie de celebridade no exterior, muitas vezes viajando para fora do Japão. Yukio Mishima escreveu para o palco (peças de teatro) e até atuou e cantou. Ele cultivou a imagem de um playboy, com ternos vistosos e looks de estrela de cinema (ele também foi modelo).

Começou a praticar musculação e foi fotografado de tanga empunhando uma espada. Seu amor pelos sinais clássicos de masculinidade parecia apenas se fortalecer neste período. Além do treinamento físico e da preocupação com todas as coisas marciais (publicou livros sobre a ética do samurai, sobre o fisiculturismo, sobre a força de autodefesa japonesa e sobre o nacionalismo), em 1968 ele formou uma “milícia” de extrema direita chamada Tatenokai , ou a Sociedade do Escudo, com um grupo de jovens.

Yukio Mishima
A Magnum Opus de Yukio Mishima – The Sea of Fertility

Adoração ao Imperador

Em 1970, ele e quatro membros do Tatenokai tentaram incitar a Força de Autodefesa do Japão a um golpe de Estado, para derrubar o governo e devolver o Japão ao domínio imperial. Seu discurso às tropas – depois que o comandante foi amarrado em seu escritório – foi recebido com risos e o grupo foi ridicularizado. Yukio Mishima e um de seus seguidores, Morita, cometeram seppuku (suicídio ritual) e foram decapitados por um terceiro homem. Assim, o jovem a quem foi negada a oportunidade de morrer pelo imperador na guerra, finalmente terminou sua jornada em um arco que poderia ter vindo direto da tragédia grega.

Pouco antes de sua morte, Yukio Mishima completou a quarta e última parte de sua magnum opus, The Sea of ​​Fertility (O mar da fertilidade). Situado entre 1912 e 1975, a série é vista da perspectiva de Honda, um estudante de direito em Spring Snow (1969), um advogado em Runaway Horses (1969) e The Temple of Dawn (1970) e um juiz aposentado em The Decay of The Angel (1971). Na primeira parte, o amigo de Honda, Kiyoaki Matsugae morre depois que suas esperanças de se casar com seu verdadeiro amor são frustradas. Em cada livro subsequente, Honda encontra o espírito reencarnado de Kiyo.

Yukio Mishima foi um verdadeiro estilista e sua prosa reside em uma beleza lânguida. Muitas vezes é difícil separar a vida de um artista de seu trabalho – e com Yukio Mishima, é quase impossível. Embora suas ideias e obsessões tenham lhe trazido ridículo e desprezo em sua vida e uma reputação complexa após a morte, ele ainda se destaca como um dos escritores mais importantes e influentes do Japão.

Adquira aqui a biografia deste grande escritor (em inglês):

Para quem está no Brasil, clique aqui.

Para quem está no Japão, clique aqui.

Takara Stefens

Takara Stefens é Gaúcho de nascimento, alma e coração, cidadão do mundo por opção. É pai, professor, escritor, amante da vida e de tudo que é belo. Também escreve lá no Nihon Daisuki Tchê. Acompanhe nas mídias sociais através dos links acima (ou abaixo)!

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *