Coronavírus diminui procedimentos de imigração para empresas japonesas

Empresas que dependem de uma força de trabalho estrangeira estão lutando para preencher vagas, pois a pandemia de coronavírus retardou os procedimentos de imigração para o Japão

Coronavírus diminui procedimentos de imigração para empresas japonesas
Desbravando o Japão

A crise global deixou fora do Japão centenas de estrangeiros, que se juntariam à força de trabalho nas indústrias famintas por mão de obra sob um programa de permissão de trabalho patrocinado pelo governo lançado em abril do ano passado, disse Shoko Sasaki, comissário da Agência de Serviços de Imigração.

Segundo a agência, 8.343 pessoas de países como Vietnã, China e Mianmar estavam no meio de procedimentos de solicitação de trabalho no Japão em meados de março. Desses, 4.738 candidatos a emprego já receberam permissão para trabalhar no Japão sob o novo visto de trabalho, mas muitos deles ainda não conseguem obter vistos de trabalho devido à crise do coronavírus.

Para resolver o problema, a agência estenderá o período durante o qual os candidatos podem concluir os procedimentos finais no Japão, de três para seis meses, para que não precisem se inscrever novamente quando a situação melhorar, disse Sasaki. Ela acrescentou que aqueles que voltaram temporariamente para seus países de origem, mas não puderam retornar ao Japão devido ao coronavírus, também poderão voltar, mesmo que o período de sua permissão de reentrada tenha expirado.

Em abril, o Japão criou novos status de visto para estagiários, com certas habilidades, para ajudar a diminuir a escassez de mão de obra em 14 setores, incluindo serviços de enfermagem, agricultura e hospitalidade. Durante um período de cinco anos, espera-se que até 345.000 entrem no país sob o programa. Em março, 10.713 haviam passado em testes de habilidades realizados no Japão e no exterior, segundo a Agência de Serviços de Imigração. A agência não informou o número de brasileiros prejudicados com a crise.

N53 - 25-03-2020
Foto: BLOOMBERG

Leia em Japan Times (MAGDALENA OSUMI - Inglês)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também