CEO da Rakuten pede revisão das restrições do Japão quanto à entrada de estrangeiros durante a pandemia de COVID-19

A rígida postura do país vem prejudicando não só os residentes estrangeiros que não podem voltar ao país, como a capacidade de inovação do Japão, segundo o CEO

CEO da Rakuten pede revisão das restrições do Japão quanto à  entrada de estrangeiros durante a pandemia de COVID-19
Desbravando o Japão

Parte da série Coronavírus, em 356 posts

O presidente-executivo da Rakuten Inc, Hiroshi Mikitani, pediu ao governo do Japão que reveja suas restrições quanto à entrada de estrangeiros, afirmando que a imposição prolongada devido ao COVID-19 pode prejudicar o Japão e estagnar a inovação. O chefe do grupo de e-commerce acrescenta uma voz de alto perfil do Japão corporativo aos protestos de lobbies de negócios ocidentais contra as restrições, que o governo implementou para conter a disseminação do novo coronavírus.

Muitos países impuseram restrições às viagens para combater a pandemia, mas as do Japão estão entre as mais rígidas, efetivamente proibindo a entrada, com poucas exceções não apenas de turistas, mas de portadores de visto de longo prazo de mais de 140 países. Isso significa que muitos residentes permanentes e outros residentes de longa duração permanecem presos fora do Japão devido a essas restrições ou enfrentam decisões angustiantes, como deixar o Japão para ir a um funeral ou cuidar de parentes doentes, por medo de não serem permitidos de voltar ao país.

“Como resultado dessas restrições, não só é extremamente difícil para os estrangeiros visitarem o Japão para fins comerciais ou de estudo, mas os estrangeiros que fizeram do Japão sua casa e base de atividades a fim de fazer uma contribuição significativa para a sociedade japonesa estão também enfrentando severas restrições ”, disse Mikitani em um comunicado esta semana na qualidade de presidente da Associação Japonesa de Nova Economia.

“Se essa postura continuar no longo prazo, o Japão não apenas sacrificará novas oportunidades de negócios e acesso ao conhecimento e especialização, mas também corremos o risco de sermos percebidos como uma sociedade que não aceita estrangeiros dentro de nossas fronteiras.” No início desta semana, os lobbies de negócios da Europa, Grã-Bretanha, Austrália, Nova Zelândia e Estados Unidos assinaram uma carta conjunta se opondo à política do governo, dizendo que ela estava em descompasso com as medidas em outras grandes economias e prejudicaria os investimentos.

Leia em Reuters (Chris Gallagher - Inglês)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também