Brasileiro, participante do programa Médicos Sem Fronteiras, é aprovado em Exame Nacional do Japão

Com tantos países a sua escolha, Otávio escolheu o Japão e agora passou no Exame Nacional para médicos do país

Brasileiro, participante do programa Médicos Sem Fronteiras, é aprovado em Exame Nacional do Japão
Desbravando o Japão

Receba os posts por email assim que foram publicados

O estagiário brasileiro Otávio Omachi de 48 anos, trabalha no Hospital Universitário Kochi, no sul do Japão. Após de se tornar médico no Brasil e realizar pós-graduação da Universidade de Tóquio através do Médicos Sem Fronteiras, ele aceitou o desafio do Exame Médico Nacional e tem uma carreira única, após passar no exame em oito anos. Em entrevista pelo Kochi Shimbun, ele disse contou porque escolheu o Japão para atuar.

Apoio médico em áreas atingidas por desastres e áreas de conflito

Otávio nasceu e foi criado no Brasil como descendente de japoneses de terceira geração. Seu avô e meu pai têm nacionalidade japonesa, mas eu só possui nacionalidade brasileira. “Eu consigo falar um pouco de japonês”.

Por influência do pai, que era engenheiro, a universidade que ele cursou foi de engenharia, mas quando eu estava no terceiro período, começou a pensar sobre seu rumo. Naquela época, ele assistiu a um vídeo da organização internacional de assistência médica Médicos Sem Fronteiras, em um documentário da TV e disse: “É isso!”. Otávio decidiu mudar então, para me juntar aos Médicos Sem Fronteiras.

Médico

Graduado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo em 2000. Após a formação como anestesista, ingressou nos Médicos Sem Fronteiras em 2005. O primeiro destino de expedição é a Indonésia. Ele chegou no local seis meses após o terremoto de Sumatra. “Eu não tinha hospital, então fiz de tudo, desde o atendimento médico inicial até a cirurgia.”

Da Indonésia, ele foi direto para o local do terremoto no Paquistão. Também entrou em áreas de conflito como Sudão, Síria e Somália. A maioria dos pacientes são civis, não militares. “Não é um desastre natural. A guerra é ruim para todos.” Ele continuou a fornecer suporte médico, imaginando se outros fariam isso também.

 Depois de trabalhar até 2008, veio ao Japão. Decidiu estudar saúde pública na pós-graduação da Universidade de Tóquio. “Achei que era hora de sossegar (mesmo na minha vida privada), mas a vida não vai de acordo com o cenário”, disse Otávio. Doze anos depois de se formar na pós-graduação, ele se encontrava em uma encruzilhada.

Existem três opções. Seja para fazer doutorado na Universidade de Tóquio, voltar ao Brasil ou procurar emprego no Japão. Ouvi dizer que “estrangeiros podem obter uma licença de médico no Japão se passarem no Exame Nacional para médicos” e decidi aceitar o desafio. “Eu pensei, vou conseguir, e ficou difícil mais tarde.”

Infarto do miocárdio?

Existem algumas condições para que os estrangeiros façam o Exame Nacional para médicos. No caso de Otávio foi necessário passar no nível mais difícil do Teste de Proficiência em Língua Japonesa e no teste de habilidade do exame em japonês. “Como todas as aulas da pós-graduação eram em inglês, não tive nenhum problema, mas quando se trata de exames, a história é diferente. Claro, os nomes das doenças são todos diferentes. Quando vi pela primeira vez o caractere para “infarto do miocárdio” pensei: O que é isso? (Eu me pergunto se escolhi certo). Queria até chorar.”

Médico

Mas Otávio, que morava em um hospital em Osaka, deu um tempo, mudou de emprego para professor universitário e continuou a estudar por conta própria para o Exame Nacional e a Proficiência em japonês. Mesmo assim, os kanji ainda o incomodavam.

No teste de habilidade do Exame Médico, ele lutou com a tarefa de “ler o cenário, como os sintomas e antecedentes do paciente, e completar o prontuário médico em 5 minutos”. “Ouvi de uma pessoa que que há alguns anos, todos os registros médicos eram em hiragana, mas parece que a política mudou. Eu acreditei nessa palavra por 15 anos e falhei. Em 2016, tentei escrever tudo em japonês, mas falhei porque minha cabeça estava em branco e não consegui escrever nada. Finalmente passei no Exame Médico em 2017 e estava qualificado para fazer o Exame Nacional.”

Ele se Desafiou no Exame Nacional pela primeira vez em 2018. Falhando por falta de preparação, mas não desistiu: “Eu posso fazer o meu melhor”. No entanto, ele não passou em 2019 e disse: “Aprender sozinho tem seus limites”. Então, Otávio começou a frequentar uma escola preparatória on-line e passou no Exame Nacional em 2020.

Depois de passar no exame, são dois anos de treinamento inicial. Assistindo a um drama médico como Dr. Cotto, Otávio estava procurando um destino para o treinamento, dizendo: “Quero ir para o campo. Seja em Nagano, Gifu, Shiga ou Kochi”, e conheceu um médico que encontrou em um estudo sessão. A Universidade de Kochi é boa.” Embora ele não tivesse nenhuma conexão com o lugar, Otávio sentiu que seu destino estava em Kochi e decidiu que iria para o Kochi University Hospital.

O dialeto tosa é o mais difícil

Em abril de 2021, Otávio iniciou sua formação com o Departamento de Cardiologia. Atualmente ele pertence ao Departamento Médico Geral. No hospital, ele é conhecido como Otabio-sensei. “Quero sentir a diferença entre um hospital universitário e uma clínica”, ele passou um mês na clínica remota de Tosayama (na cidade de Tosayama em Kochi) em dezembro.

Médico

Na clínica, que fica próxima aos pacientes, Otávio presenciou o contato próximo entre o atendimento médico e o cotidiano. “Como a época de colheita de Yuzu é movimentada, há muitos pacientes com pressão alta. Os professores e funcionários conhecem as famílias dos pacientes. Compreendendo as características da região e trabalhando com as pessoas, aprendi que é importante a pratica da medicina baseada em evidências, enquanto se constrói um relacionamento com as pessoas.”

Na clínica, Otávio também aprendeu o dialeto Tosa. Otávio, que entende vários idiomas, sorri ao dizqe que “O dialeto tosa é o mais difícil.” Com base em sua experiência em Tosayama, seu objetivo era se tornar um médico da família. Com o objetivo de ser um médico que presta cuidados médicos incluindo o histórico de vida do paciente, também estamos considerando clínicas para estrangeiros que não falam bem japonês.

“Meu sonho desde que me tornei médico no Brasil tem sido ajudar as pessoas. Eu gostaria de poder trabalhar no Japão, aproveitando ao máximo minha força e pontos fortes no aprendizado de idiomas.”

Leia em Kochi Shimbun (Kadota Tomozo - Japonês)

Um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também