A pandemia está empurrando os nascimentos para menos de 800 mil em 2021

O vírus aumenta a incerteza sobre os casamentos e também os nascimentos de crianças

A pandemia está empurrando os nascimentos para menos de 800 mil em 2021
Desbravando o Japão

Espera-se que os nascimentos anuais no Japão caiam para menos de 800 mil no próximo ano, cruzando um marco sombrio mais de uma década antes do que o previsto anteriormente, à medida que a incerteza causada pela pandemia acelera o declínio de um ano.

Com base no número de gestações relatadas e outros dados, Takumi Fujinami, do Instituto de Pesquisa do Japão, estima nascimentos anuais em 848 mil este ano e 792 mil em 2021, apenas um terço dos níveis observados durante o baby boom do pós-guerra. A projeção mais recente do Instituto Nacional de Pesquisas Populacionais e Previdenciárias, em 2017, mostrava que a contagem ultrapassava a marca de 800 mil 12 anos depois.

A tendência ameaça colocar mais pressão sobre a já encolhida população em idade ativa que apoia a rede de segurança social do país.

O Hospital Aiwa na província de Saitama normalmente lida com mais de 2.500 nascimentos por ano. Mas viu uma queda de cerca de 5% entre abril e novembro em pacientes que chegam pela primeira vez para confirmações de gravidez e outros serviços, em comparação com o mesmo período do ano anterior, e tem cerca de 20% menos partos programados para janeiro e fevereiro de 2021 do que em os primeiros dois meses de 2020 – quedas quase sem precedentes.

O Centro Nacional de Saúde e Desenvolvimento Infantil também registra uma queda nas entregas programadas nos primeiros dois meses de 2021 e uma recuperação lenta a partir de março. “Provavelmente há pessoas que estão hesitando em ter filhos devido às incertezas, econômica e outras, sobre o futuro”, disse Haruhiko Sago, uma autoridade sênior do centro.

A queda nas gravidezes aparece nos dados oficiais. As estatísticas do Ministério da Saúde divulgadas na quinta-feira mostram uma queda de 5,1% no ano em gestações relatadas nos primeiros 10 meses de 2020, com uma queda de 17,6% em maio, um mês após o governo declarar estado de emergência. Os pontos críticos de vírus experimentaram quedas particularmente acentuadas entre abril e outubro – 9,1% em Tóquio, 8,1% em Hokkaido e 7,6% em Osaka.

A recente queda nos casamentos também é motivo de preocupação. Houve 424 mil casamentos nos 10 meses até outubro, de acordo com dados preliminares, uma queda de mais de 13% em relação ao mesmo período de 2019.

A tendência de evitar casamentos “pode ​​levar a um declínio nos nascimentos a médio e longo prazo”, alertou Fujinami.

Isso reduziria ainda mais uma população já em declínio. Com base nas taxas de natalidade atuais, Takuya Hoshino do Dai-ichi Life Research Institute prevê que a população do Japão cairá para menos de 100 milhões em 2049, quatro anos mais cedo do que na estimativa do Instituto Nacional de Pesquisa de População e Segurança Social.

Isso significaria que a população do Japão encolheria em mais de 25 milhões – o equivalente a duas Tóquio – nas próximas três décadas.

Hoshino vê um risco de mudanças culturais estimuladas pela pandemia, exacerbando a queda nos nascimentos e casamentos. “Se mudanças como trabalhar em casa aumentarem e as pessoas saírem menos, haverá menos oportunidades de encontrar parceiros em potencial”, disse ele.

“Será necessário tomar medidas após a pandemia para retornar os nascimentos e casamentos aos níveis anteriores”, complementou.

Nos últimos anos, o governo tem tentado fazer mudanças no sistema de seguro social do Japão para aliviar a carga sobre os jovens. Mas as reformas podem não ser capazes de acompanhar uma queda mais rápida do que o esperado na população em idade ativa, e uma carga econômica mais pesada sobre os jovens pode desestimular ainda mais o casamento e a criação de filhos, gerando um ciclo vicioso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também