Encontraram o Godzilla! Como a descoberta de um fóssil gigantesco coloca o Japão no mapa mundial dos dinossauros

Encontraram o Godzilla! Como a descoberta de um fóssil gigantesco coloca o Japão no mapa mundial dos dinossauros

O esqueleto do gigante foi descoberto perto da cidade de Mukawa, em Hokkaido.

O esqueleto do gigante foi descoberto perto da cidade de Mukawa, em Hokkaido. Medindo aproximadamente oito metros de comprimento total, é o maior fóssil de dinossauro completo encontrado até hoje no Japão.

O esqueleto fossilizado conhecido como Dragão de Mukawa foi declarado uma nova espécie de dinossauro em 6 de setembro último, e recebeu oficialmente o nome científico Kamuysaurus Japonicus.

Anteriormente, a opinião comum sustentava que apenas fragmentos de esqueletos de dinossauros eram encontrados no país. Com a descoberta do Kamuysaurus japonicus, a opinião dos pesquisadores passou por uma grande mudança e uma nova era para a pesquisa de dinossauros japoneses foi introduzida.

Encontraram o Godzilla! Como a descoberta de um fóssil gigantesco coloca o Japão no mapa mundial dos dinossauros 1
Professor Yoshitsugu Kobayashi da Universidade de Hokkaido, à esquerda, e Yoshiyuki Takenaka, prefeito de Mukawa, sorriem ao lado do esqueleto fossilizado (no chão) e de uma réplica do recém batizado “Kamuysaurus japonicus” no Museu Nacional de Natureza e Ciência, em Tóquio, em 4 de Setembro de 2019.
Foto: The Mainichi / Etsuko Nagayama

A maior evidência concreta da existência do Deus Lagarto – Godzilla

Na verdade, a cauda parcial de um Dragão de Mukawa foi descoberta por um paleontólogo amador local em 2003. Ela veio de um estrato de solo que remonta ao período cretáceo mesozóico tardio, aproximadamente 72 milhões de anos atrás. Como essa camada de solo estava naquele tempo debaixo d’água, acreditava-se originalmente que o fóssil pertencia a um réptil marinho de pescoço longo.

Oito anos depois foi identificado como um dinossauro. No entanto, somente em 2017, após uma escavação em grande escala, os pesquisadores descobriram o maior esqueleto completo de dinossauros já encontrado no Japão.

O professor Yoshitsugu Kobayashi, da Universidade de Hokkaido, que está pesquisando a descoberta, a caracteriza como “o representante do Japão nas fileiras de fósseis de dinossauros”.

O fóssil em questão é o de um dinossauro adulto com mais de nove anos de idade na época da morte. Mais de 80% de todo o seu comprimento original foi recuperado.

Após uma pesquisa aprofundada, os cientistas julgaram o animal como sendo uma nova espécie, com base em características especiais, como pernas dianteiras estreitas e o grau de inclinação dos espigões neurais em sua coluna. Um artigo detalhando a nova classificação científica foi publicado no Scientific Reports – uma publicação da revista britânica Nature – em 5 de setembro de 2019. Isso a tornou a oitava nova espécie de dinossauro descoberta no Japão.

Ao selecionar seu nome científico, os cientistas acharam acertado usar o termo Kamuy, que significa “deus” na língua do indígena Ainu, uma vez que foi descoberto em Hokkaido. Saurus e Japonicus são latinos, significando “lagarto” e “japonês”, respectivamente. Portanto, uma tradução direta seria “Deus Lagarto do Japão”. A “Divindade dos Dinossauros Japoneses” parece mais apropriada.

Um contemporâneo do feroz tiranossauro

Os pesquisadores não têm certeza do sexo do fóssil Kamuysaurus em questão nem se ele andou sobre duas pernas ou quatro. Dizem ainda, que é possível que ostentasse uma crista achatada em sua cabeça.

A nova espécie é considerada um dos dinossauros herbívoros de bico de pato hadrossurídeo que viviam perto do mar. Acredita-se que a carcaça do animal tenha sido lavada e depois afundada no oceano. Vivendo na extremidade oriental do leste asiático, cerca de 84 milhões de anos atrás, essa espécie parece ter evoluído independentemente.

Encontraram o Godzilla! Como a descoberta de um fóssil gigantesco coloca o Japão no mapa mundial dos dinossauros 2
Reconstrução do Kamuysaurus japonicus com uma carcaça de mosasauro (Phosphorosaurus ponpetelegans), uma tartaruga marinha (Mesodermochelys undulates), e conchas de ammonoids (Patagiosites compressus e Gaudryceras hobetsense) e (Nannonavis elongatus) na praia. Imagem: Kobayashi et al, doi: 10.1038/s41598-019-48607-1.

Kobayashi acredita que a descoberta do Kamuysaurus japonicus terá um grande impacto na pesquisa futura de dinossauros. Muitos fósseis de dinossauros foram descobertos a partir de estratos terrestres, mas os de estratos oceânicos são poucos em todo o mundo. Os cientistas esperam que a pesquisa sobre as novas espécies elucide as condições costeiras durante o período em que viveu.

Além disso, como o Kamuysaurus era um contemporâneo do tiranossauro mais poderoso do mundo e do tricerátopo com chifres, Kobayashi disse: “Poderemos gerar dados sobre este auge dos dinossauros daqui do Japão”.

Até agora, a pesquisa de dinossauros do Japão envolvia a comparação de espécimes com esqueletos completos desenterrados no exterior. Portanto, os paleontologistas japoneses tiveram que solicitar ajuda estrangeira.

“No futuro, o oposto será verdadeiro”, disse Kobayashi. “A pesquisa será realizada no exterior em países como China e Rússia, com o Kamuysaurus como padrão”.

Descobertas japonesas em 18 diferentes prefeituras

Embora fosse pura coincidência, o Kamuysaurus recebeu seu nome científico em 6 de setembro, exatamente um ano após o grande terremoto de magnitude 7 que atingiu a região leste de Iburi, em Hokkaido. Yoshiyuki Takenaka, prefeito de Mukawa, disse: “Com nossa cidade tentando se recuperar, não podemos deixar de sentir que o Dragão de Mukawa ressuscitar do passado e receber um nome científico estava escrito nas estrelas”.

Apesar do novo apelido latino da espécie, parece que os habitantes locais ainda se referem a ele como o Dragão de Mukawa.

Com a descoberta de fósseis de dinossauros em vários locais do Japão nos últimos anos, o Japão passou a ser reconhecido como um reino de dinossauros por si só. Se os ovos de dinossauro forem contados, as descobertas foram realizadas em 18 prefeituras diferentes.

No entanto, na maioria das vezes as descobertas consistem em pequenos fragmentos fossilizados, como dentes e espinha dorsal. A descoberta de Mukawa de um esqueleto Kamuysaurus quase completo é a maior descoberta desse tipo no Japão até hoje e de extrema importância para a Ásia como um todo.

“Havia um pré-conceito de que o Japão só produziria fósseis fragmentários, como os que havíamos encontrado até agora”, explicou Kobayashi. “Agora continuaremos a escavar, sabendo que podemos encontrar espécimes completos.”

Este artigo é uma tradução livre do original em japonês, publicado pelo site Japan Forward. O autor do artigo original é Takeo Kusaka, do departamento de Ciência do Sankei Shinbum.

Takara Stefens é Gaúcho de nascimento, alma e coração, cidadão do mundo por opção. É pai, professor, escritor, vegano desde 2020 e amante da vida e de tudo que é belo.

Veja o perfil completo de Takara Stefens